Não se deixe cair na exaustão

O cansaço, grande amigo do stress, é o culpado de situações de exaustão que atacam todos os trabalhadores, especialmente os executivos. Saiba alguns truques para não ficar doente

Por: Adriana Garcia

Se costuma ir dormir cansado e acorda ainda mais exausto, há algo de errado com a sua energia. É sinal de que não existe a necessária renovação e que o corpo não está a cumprir, na totalidade, as suas funções próprias. Se ao ler este artigo lhe dá vontade de dormir, acredite: o problema é consigo.
Contudo, não existem razões para se alarmar, pois tudo pode ser resolvido com tranquilidade. Aprenda algumas das técnicas mais novas e divertidas para recarregar as suas baterias.

Sente-se à janela

Acredite se quiser: uma pesquisa a 4500 funcionários do Departamento de Energia dos Estados Unidos demonstrou que aqueles que ficavam perto de janelas tinham 23% menos queixas de dores nas costas, dores de cabeça ou exaustão. A conclusão é do arquitecto Volker Hartkopf, da Carnegie Mellon University. As janelas são estimulantes, fornecem distracção, prazer e trazem informação - além de responderem à nossa vontade subjectiva de saber se está a chover. Ou seja,
permitem-nos uma relação com o exterior. As janelas colaboram para melhorar a disposição e recarregar as baterias. Se isso não for possível no seu escritório, dê um passeio ao ar livre ao meio da tarde.

Um pãozinho às cinco da tarde

Para ganhar energia, consuma hidratos de carbono a partir das cinco da tarde, revela a bioquímica Judith Wurtman, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), que estuda os efeitos da comida no humor das pessoas. Assim, massas,
batatas, arroz e pão são alimentos necessários, mas, como energéticos, não devem ser consumidos a qualquer momento. À hora de almoço, por exemplo, dão sonolência. Evite-os, optando por proteínas e vegetais. Porém, às cinco da tarde, o nível de serotonina no organismo começa a diminuir. É aí que os hidratos de carbono se tornam aliados, pois desencadeiam uma série de reacções que produzem essa substância. O resultado é que as pessoas se sentem mais bem-dispostas e ainda combatem as hormonas do stress, isto é, a adrenalina e o cortisol.
Por outro lado, quando se vai fazer uma noitada, não adianta comer frutas à tarde, pois a frutose não aumenta a quantidade de serotonina no seu corpo. Para um lanche, prefira bolachas tipo cream cracker, pão ou algum biscoito não muito doce. Os efeitos começam meia hora depois da ingestão e duram cerca de três horas.
À hora de jantar, massas e cereais garantem uma boa noite de sono. Quando se está num período de tensão, deve-se vigiar permanentemente as mudanças súbitas do apetite. «As pessoas nessas circunstâncias estão propensas a não comer ou a comer em excesso, justamente para resgatar a falsa sensação de que mantêm o controle sobre o corpo», diz a psicóloga Gentil Savoia, da Universidade de São Paulo, que estuda mecanismos para enfrentar o stress.

Jogar faz bem à saúde

Brincar com um jogo (tipo solitário) durante 10 minutos no computador, duas vezes ao dia, é sinal de irresponsabilidade? «Pelo contrário», diz o psiquiatra Márcio Bernik, coordenador do Laboratório de Ansiedade do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, que adianta: «Esses jogos ajudam a alinhar a concentração mental.» Foi essa a receita que ele deu a um paciente que estava a liderar o processo de reestruturação da sua empresa. As pausas são fundamentais, porque a concentração diminui depois de períodos de esforço mental superiores a duas horas.
É por essa razão que existem pausas para café durante os seminários ou congressos. O consultor Peter McLaughlin, autor do livro Catch Fire: A Seven-Step Program to Ignite Energy, Defuse Stress, and Power Boost Your Career, entrevistou
centenas de executivos e tornou-se num dos defensores de pequenos intervalos como forma de repor a energia rapidamente.

As vantagens de uma sesta

Na lista de descansos heterodoxos entra a sesta. A revista de psicologia americana The Monitor traz na sua última edição um artigo recomendando aos psicólogos do trabalho a criação de espaços para incentivar um «descanso horizontal» aos
funcionários das empresas. «Dez minutos bastam», diz a psicóloga Marilda Novaes Lipp.
Claro que, objectivamente, ainda é inviável as empresas encararem a sesta como uma forma de aumentar o ritmo de trabalho ou de produzir mais. Porém, os empregados podem tornear o preconceito e descansar durante 10 ou 15 minutos no
carro, logo após o almoço.

Exercícios? Faça só metade

Claro que todos já ouvimos a história de que os exercícios físicos ajudam a combater a tensão, porque libertam as hormonas que propiciam a sensação de bem-estar. No entanto, para recarregar a energia, não é necessário correr 10 quilómetros, nem jogar uma partida inteira de futebol. Para melhorar a sua disposição geral, tanto faz utilizar 80% ou 40% da sua capacidade máxima de treinar - desde que se mexa durante 30 minutos seguidos. A conclusão é do professor Rod Dishman, da Universidade da Georgia.
O local onde se pratica o desporto também é importante. Georg Eifert, professor de Psicologia Clínica da Universidade de West Virginia, comparou os efeitos físicos e psicológicos entre dois grupos de desportistas - os que se exercitavam ao ar livre e os que o faziam em lugares fechados. A conclusão foi que as pessoas que faziam desporto ao ar livre tinham menos stress que o grupo dos que preferem os ginásios.

O poder da meditação

«A meditação é revigorante. Quando se tem uma péssima noite de sono, é aconselhável fazer meditação pela manhã», diz Augusto Pinto, director da SAP, uma empresa brasileira de software. Ele aprendeu as vantagem da meditação depois de
passar por um período desgastante quando trabalhava na IBM. «Meditar dá energia porque ajuda o sistema nervoso a recompor-se», diz o professor Marcos Rojo Rodrigues, do Departamento de Educação Física da Universidade de São Paulo,
que se dedica ao estudo científico do ioga. Ele afirma que o estado meditativo pode proporcionar mais vigor que o sono, pois quando dormimos não estamos livres das emoções, presentes nos sonhos. Na meditação isso não acontece - o objectivo é manter o cérebro alerta e vazio de pensamentos.
Depois de 20 minutos de prática, o metabolismo do corpo começa a trabalhar de forma lenta - um estado que leva seis horas de sono para ser atingido. Para chegar a esse estado não é necessário trancar-se num mosteiro do Nepal, basta um pouco de disciplina. Mas atenção: quem vai meditar precisa de paciência. O professor Rojo adverte que os benefícios são muitos, mas não imediatos. Começam a aparecer após seis meses de prática.

Respire bem e faça caretas

Sem respirar adequadamente não há forma de se ganhar força.
Técnicas de respiração melhoram as respostas orgânicas e acalmam de uma forma exemplar. Antes de apagar o próximo incêndio no escritório, inspire profundamente pelo nariz e expire no dobro do tempo. Dois minutos bastam. Em seguida, retome o contacto com o corpo pressionando a base do crânio e fazendo círculos em volta do nariz. Há quem diga que eliminam a dispersão. Outra boa técnica é fazer caretas expressivas.
Elas ajudam a retomar a concentração, quando se está cansado. Há ainda outro recurso vindo do Oriente: massajar a orelha por três minutos em alguns pontos energéticos. Não há explicação científica, mas confirma-se a sua eficácia.

Esqueça o trabalho

Bill Ford é neto de Henry Ford e foi nomeado, no mês passado, presidente do conselho de administração da General Motors, um império automóvel que tem mais de 360 mil empregados.
Contudo, apesar da responsabilidade, não quer descuidar-se dos seus hobbies, no caso a sua valiosa colecção de documentos antigos da Guerra Civil Americana. Os hobbies são recomendáveis por duas razões essenciais: associam prazer com
momentos de ausência total e cortam a tensão mental. «É um bom treino para aprender a espairecer», diz o psiquiatra Márcio Versiani, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Finalmente, pergunte: por que fico tão exausto? O que me está
a tirar as minhas forças? Diferencie o que depende do que não depende de si. Que culpa tem um operador financeiro se a Bolsa da Ásia caiu? Quer isto dizer que não vale a pena ficar angustiado.

Fonte: http://www.centroatl.pt/edigest/edicoes/ed50co-sa.html - condensado de Exame (Brasil). © 1998 by Editora
Abril. Todos os direitos reservados. Adaptado por Pedro Costa Coelho. (texto em português de Portugal)

  2003 - Nova Era