Florais e Síndrome do Pânico

ATAQUES de PÂNICO


(Dra. Marina Angeli é uma psiquiatra com consultório
particular em Atenas, Grécia. Sua base psicoterapeutica é de Terapia Familiar Sistêmica. Ela é graduada na Flower Essence Society como Practitioner Training e Certification Program).

Ajudar clientes que sofrem de ataques de pânico tem comprovado serem esses os mais fáceis e recompensadores temas de minha prática. O prognóstico é excelente para todos aqueles que passam pelo processo de cura que irei examinar
neste artigo.
Uma moça de 23 anos de idade que foi tratada de ataques de pânico há um ano atrás comentou: “Semana passada eu fiz um ano! Eu tenho estado viva somente neste ano. Não era realmente uma vida o que eu tinha até este último ano!”
Vários anos de trabalho com pacientes sofrendo de Síndrome do Pânico têm me convencido que a terapia floral, quando combinada com psicoterapia, pode ser muito eficaz. O resultado é na maioria das vezes o alívio imediato dos sintomas sem necessidade de medicação química, e um tratamento profundo das causas emocionais básicas do problema.


DEFININDO A SÍNDROME DO PÂNICO

A Síndrome do Pânico é caracterizada por sentimentos
espontâneos de pânico inesperado, acompanhados de aguda ansiedade. O ataque típico de pânico inclui sintomas como taquicardia, dispnéia, palpitações, e suor, aumentando rapidamente durante um período de 5 a 10 minutos. Os sintomas podem ser sentidos como um risco de vida, e um grande medo surge, resultando num agravamento da situação. Ataques de pânico tipicamente ocorrem em lugares fechados, como num ônibus lotado ou qualquer lugar do qual não se possa sair imediatamente, embora esses incidentes possam acontecer em qualquer lugar, a qualquer hora.
O ataque dura tipicamente por 20-30 minutos, no máximo por uma hora. Logo depois do primeiro ou dos dois primeiros ataques, um medo considerável e apreensão quanto ao futuro episódio se desenvolvem. Por causa desse medo, medidas preventivas são tomadas para evitar situações desencadeantes e para assegurar um sentimento de segurança.
Muitas vezes, algumas pessoas evitam ir em lugares
públicos, a menos que estejam acompanhadas de alguém
conhecido. Há um medo considerável de que um ataque de pânico subitamente os exponha publicamente. Isto é conhecido como ‘agorafobia’, ou Síndrome do Pânico com Agorafobia.
Claustrofobia, uma situação na qual a pessoa evita espaços fechados ou veículos em túneis, pontes, elevadores, ônibus, trens, aviões, também pode se desenvolver. Se tal pessoa vai a um evento em local fechado como teatro ou cinema, por exemplo, tentará ficar sentada perto do corredor, preferencialmente perto da saída, no caso dos sintomas do pânico surgirem. A pessoa com ataques de pânico tipicamente visita muitos médicos, e se submete a muitos exames, sem encontrar nada patológico.

TRATANDO ATAQUES DE PÂNICO: OLHANDO ALÉM DOS SINTOMAS

Foi um longo tempo experimentando com diferentes
essências florais antes de que uma fórmula que efetivamente se dirigisse aos ataques de pânico se tornasse aparente. No começo, minha atenção tendia a ser ‘orientada pelo sintoma’, focando no medo presente e tentando aliviar o medo com os florais. Eu experimentei com todas as essências que tinham a ver com medo, como Mimulus, Aspen, Rock Rose, Rescue Remedy, etc. Para minha surpresa, essas essências não faziam praticamente nenhuma diferença; a situação emocional não mudava em nenhum grau considerável, nem os sintomas psicossomáticos. Eu sabia por experiência quão eficazes as essências para o medo tinham provado ser. Então,
porque faltavam os resultados? Se o pânico era um tema real, porque ele não respondia às essências?

ESCOLHENDO ESSÊNCIAS PARA O CONTEXTO BÁSICO EMOCIONAL

O primeiro passo é entender o estado emocional de
alguém que está em tensão interna extrema, resultando em enorme ansiedade que explode no corpo. A natureza explosiva dos sintomas aponta em direção ao Cherry Plum. Tal pessoa é incapaz de tolerar tensão interna muito tempo. Sua perda de controle é expressa como tumulto físico, uma intensificação caótica das funções corporais amplificando um estado emergencial. Muitas vezes a pessoa em sofrimento literalmente sente que está enlouquecendo. Por outro lado, o fato de que crises semelhantes muitas vezes ocorrem em locais fechados ou
apertados, onde a pessoa tem pouco ou nenhum controle, pode talvez ser visto como uma ausência de controle na vida da pessoa. As situações externas restritivas podem representar um estado interno de sufocação emocional e desespero.
Pode ser também observado um aumento dos sentimentos
de impaciência durante e entre os episódios das crises. O
paciente quer sair de um espaço fechado imediatamente. Os sintomas psicossomáticos de taquicardia, dispnéia, etc., são sintomas de urgência emergencial. Além disso, eu notei que os sofredores de ataques de pânico estão constantemente num estado de impaciência, talvez sem percebê-lo. Impaciência é a reação natural de uma tensão interna intolerável e insatisfação. Como uma explosão vulcânica, esta tensão encontra alívio dramático durante a crise. Então a próxima essência a considerar foi Impatiens.
A terceira característica evidente dos casos de ataque de pânico é que a pessoa parece se esquecer da causa de seu problema. O intenso estado de emergência predispõe a
pessoa a sentir que é algo inteiramente físico. No entanto,
nenhuma correlação é feita entre os sintomas agudos e a
situação de vida completa. A idéia de prestar atenção numa interpretação psicológica nunca parece ocorrer, não até que mostrada por um conselheiro psicológico. Uma falta de entendimento interno da situação somente serve para aumentar o sentimento geral de pânico e confusão. Eu tomei isto como uma indicação da essência Chestnut Bud.
Também notei que essas pessoas são quase sempre
personalidades extrovertidas. Elas tentam evitar problemas
pessoais e transferem a atenção a diversões prazeirosas tanto quanto possível. Quando vêm os ataques de pânico, elas mantêm o episódio para si mesmas ou dentro da família. Um esforço intenso é feito para parecer normal, até animado, por fora. O medo de exibir um sintoma de ataque de pânico na presença de outros leva a condições mais extremas de agorafobia. Dessa forma, decidi incluir Agrimony na fórmula dos ataques de pânico.
Essas essências florais eliciaram muitas mudanças nos
ataques de pânico dos clientes. Cherry Plum promoveu
diferenciação emocional e acelerou o contato com o sentimento vital interno, Chestnut Bud aumentou a percepção sobre as causas das dificuldades pessoais, Impatiens somou um efeito tranquilizador, e Agrimony aliviou a necessidade de esconder emoções negativas.

PERGUNTAS SOBRE PROFUNDAS QUESTÕES DA ALMA

Quando usa as essências florais, o cliente adquire a
habilidade de olhar para dentro e perceber aspectos
anteriormente inconscientes dentro da vida da alma. Essa nova percepção torna possível fazer questões como: “Há
circunstâncias na sua vida onde você se sente trapaceado, ou pressionado por uma situação que lhe causa a sensação de que irá explodir? Do que em sua vida você gostaria de escapar, ou o que você gostaria de eliminar? Há instâncias em sua vida onde você se sente dependente, desconfortável, impotente ou como se fosse sufocar?
Fazendo essas perguntas, torna-se aparente para os
pacientes que eles se tornaram incrivelmente insatisfeitos
com suas vidas algum tempo antes do início dos sintomas dos ataques de pânico. Esses clientes encontraram condições de vida intoleráveis, mas sentiam-se incapazes ou desqualificados para fazer mudanças. Essas condições sempre dizem respeito a relações próximas, normalmente com membros da família. Muitas vezes essas relações eram com pais superprotetores ou super preocupados, que ao mesmo tempo eram muito dependentes do paciente, tanto psicologicamente quanto fisicamente.
Este relacionamento complexo significa que a pessoa
com ataques de pânico foi super-preocupada com uma pessoa amada ou se sentia responsável, tipicamente sentindo-se manipulada ou sobrecarregada pelos problemas do ser amado. Ao mesmo tempo, o cliente duvidava de sua habilidade de ficar sem a ajuda dessa pessoa. Adicionalmente, alguns pacientes se sentiam traídos em condições tais como um emprego de que não
gostavam, ou mesmo todo um estilo de vida que parecia
devastador e além da mudança.
Red Chestnut foi a próxima essência floral para a
preocupação excessiva e armadilhas nos relacionamentos. Mesmo quando o estado negativo de Red Chestnut não estava aparente no estágio inicial, ele se tornava óbvio quando o paciente era confrontado com a necessidade de agir. Um sentimento típico é “Essa pessoa precisa de mim. Como eu posso ignorá-la e fazer minhas próprias coisas?” Red Chestnut provou ser uma escolha estratégica para romper com padrões disfuncionais nas relações e mover-se em direção à saúde da alma.
A fórmula básica de Agrimony, Cherry Plum, Chestnut
Bud, Impatiens e Red Chestnut provocou profundo alívio aos sintomas de ataques de pânico dentro dos primeiros poucos dias. Quando usada esta combinação, os ataques de pânico declinam dramaticamente em frequência e intensidade ou não aparecem mais. Eu também adiciono Gentian à fórmula quando há a necessidade de proteger do desapontamento ou desencorajamento dos possíveis retrocessos. Algumas vezes, pessoas particularmente sensíveis experimentam ‘mal-estar’ ou ansiedade por poucos dias quando começam com a terapia floral. Isto pode ser visto como uma crise terapeutica resultante de uma grande mudança de percepção. Star of Bethlehem pode ser usado para superar ou minimizar esta mudança.

ALÍVIO DE SINTOMAS E MUDANÇAS DE CONSCIÊNCIA

Alívio de sintomas não é o único benefício; mais importante é a mudança de consciência. Já na segunda sessão, o paciente focaliza a sua atenção de orientado-pelo-sintoma para tornar-se orientado-pelo-insight. Ele agora está apto a perceber o que está acontecendo internamente. Mesmo que ele não seja ainda capaz de lidar com as situações de um modo diferente, ele está em contato com as emoções e entende os temas psicológicos responsáveis pela situação. Isso tem um efeito profundamente calmante e libertador. Chestnut Bud
promove um sentido de segurança e auto-confiança, porque o cliente pode agora entender o que tem estado errado, ganhando controle sobre a situação. A beleza no uso do Chestnut Bud é que a interpretação do sintoma vem diretamente do paciente, baseado num discernimento interno, não numa interpretação profissional que ele é instado a adotar.
Cherry Plum cataliza este processo ‘derretendo’ a
explosiva tensão interna, educando a linguagem dos
sentimentos, e abrindo para um diálogo interno. Impatiens
acalma e dá tempo de processar os sentimentos, em vez de causar pânico sem propósito. Agrimony dá liberdade de
genuinamente experienciar e expressar pensamentos,
sentimentos e preocupações que eram anteriormente ‘inaceitáveis’ e trabalhar com esses temas psicológicos num contexto terapêutico. Finalmente, Red Chestnut liberta ligações disfuncionais e medos sobre os outros, e então o cliente não se sente mais culpado sobre tentar mudanças no relacionamento ou estilo de vida.
Conforme eu me familiarizo com mais essências florais
através dos anos, outras têm sido incluídas na fórmula
mencionada anteriormente.
Dog Rose (Bauera rubioides) é usada para preocupação,
medo, e Dog Rose da Wild Forces (Bauera sessiliflora)
para ‘somatização de ansiedade’ (para sustentar as tensões emocionais que afetam as funções corporais), junto com Emergence Essence para coragem em face de situações ameaçadoras. Scarlet Pimpernel (Anagallis arvensis) desperta novas forças da alma que podem ser liberadas dentro da personalidade num modelo organizado; Blackberry (Rubus villosus) dá mais força para as condições de vida, especialmente o medo da morte de si mesmo ou de uma pessoa amada, e Apricot (Prunus Armeniaca) trazendo luz e ânimo para estados mentais sobrecarregados. Com a adição dessas essências, os sintomas de pânico usualmente se dissipam durante a primeira semana. Eu nunca precisei aplicar um tratamento especial para acompanhar os sintomas agorafóbicos -
eles se acalmam seguindo o tratamento geral.

ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS PARA ATAQUES DE PÂNICO

Embora os sintomas de ataques de pânico possam cessar
imediatamente, as essências florais são administradas por
várias semanas ou meses. O padrão de tempo depende de quanto leva para o cliente resolver as causas básicas escondidas e fazer as mudanças necessárias na vida de modo a se sentir sólido e livre. Cada pessoa segue seu próprio ritmo.
Os clientes o fazem incrivelmente bem, com exceção de
poucos casos. Uma pessoa se recusou a continuar o processo quando começou a entender o impacto que uma relação disfuncional com seu marido estava tendo em sua vida. Alguns clientes reportam um dramático decréscimo dos sintomas do pânico durante os primeiros dias e prematuramente descontinuam a terapia. Conforme esses indivíduos se tornam perceptivos da fonte real de seus problemas, eles se preocupam em ameaçar seus relacionamentos principais. No entanto, com a assistência da terapia floral, a maioria das pessoas experimenta uma transformação pessoal e muda num processo fácil, excitante e agradável.
Durante a primeira sessão, eu normalmente não falo
muito com os pacientes. O assunto principal é diminuir o
nível de pânico e providenciar acesso aos insights pessoais.
Com as essências florais, ambas essas metas pordem ser
alcançadas rapidamente, enquanto conversar é de pouca ajuda nesse estágio. Eu somente ouço os pacientes conforme descrevem os sintomas físicos e então administro as essências, simplesmente dizendo-lhes que se sentirão melhor muito em breve. Eu asseguro ao paciente que seus sintomas, não importa quão perturbadores, não são uma ameaça direta à saúde. Eu faço cada cliente saber que estarei disponível no caso de qualquer pergunta ou queixa aguda.
Nessa primeira sessão, eu sempre marco a próxima
consulta. O cliente continua sentindo um agudo senso de
emergência e precisa de uma garantia que poderá voltar sempre que necessário. Também, para muitos clientes, essa é a primeira vez a tentar essências florais.
O cliente requer liberdade para explorar se a terapia
irá ajudar antes de se comprometer mais adiante. Depois de
duas semanas, o cliente retorna com discernimento suficiente sobre a situação, e o trabalho psicológico pode começar.

A POSSIBILIDADE DA CRISE TERAPEUTICA

Uma pessoa que sofre de ataque de pânico pode
experimentar uma crise terapeutica durante os primeiros dias
tomando as essências florais. Contactando emoções suprimidas, pode ficar face a face com percepções que têm sido evitadas.
Star of Bethlehem pode ajudar aqueles que reagem com
ansiedade neste ponto.
Informar o paciente antecipadamente sobre a
possibilidade de uma crise terapeutica é importante. Há
poucos pacientes que hesitam em tomar os florais depois que eu lhes dou essa informação. Mas a garantia de que profundas mudanças podem tomar lugar ajuda o cliente a adotar uma atitude positiva e corajosa.
Se o cliente experimenta uma situação de crise, eu
recomendo parar com as essências por um dia ou dois, ou tomá-las com menor frequência por dois ou três dias. Então
vagarosamente aumentar a frequência até o normal e assegurar ao cliente que pode me chamar se sentir-se mal.
Conquanto a melhora seja visível nos primeiros 2 a 3 dias, os medos sobre uma possível recorrência dos sintomas de
pânico levam mais tempo para apaziguar. No entanto, eu tenho confirmado que não importam as dificuldades que a pessoa possa encontrar no futuro, consultas de acompanhamento conduzidas anos mais tarde confirmam que os sintomas de pânico nunca reapareceram. Os clientes adquirem um nível muito melhor de percepção mente-corpo, bem como estratégias funcionais de consciência para lidar com seus problemas.

AJUDANDO CLIENTES COM MEDICAÇÃO QUÍMICA ANTERIOR

Eu nunca precisei prescrever medicação química para
ataques de pânico. Nos casos em que os clientes estavam
engajados num tratamento com drogas antes de vir à terapia floral, e não sugeri a parada da medicação imediatamente.
Pode ser que um cliente sinta ansiedade ou insegurança. Além do mais, muitas drogas produzem seus próprios sintomas químicos adversos quando descontinuadas abruptamente.
Eu informo o cliente que em breve ele não precisará
da droga. Recomendo um método que gradualmente usa menos medicação, até o ponto que ele se sinta confortável. Com essas avaliações, o cliente reduz e então finalmente para de tomar a medicação química, normalmente em poucas semanas. A exceção são aqueles clientes que têm usado Lorazepam para ataques de pânico por muitos anos. Uma forte dependência é desenvolvida com essa droga em particular, e muitos clientes se recusam a deixá-la completamente. Em breve, no entanto, esses pacientes são capazes de reduzir a quantidade da droga a níveis de placebo em 0.5 a 0.25 mg por dia.

  2003 - Nova Era