"A quem buscais?"

Tomo a indagação de Jesus aos soldados que o buscavam para prendê-lo, no Monte das Oliveiras, para falar da corrida impelente pela paz no mundo atual, e a divergência entre a Paz advinda dos Céus e a paz que o homem produz. Esta é a paz da "Ausência de lutas, violências ou perturbações sociais; tranqüilidade pública; concórdia, harmonia." (Aurélio).

Portanto, a paz que procede de Deus e a paz que o mundo almeja são bem distintas. Isso fica claro quando buscamos seus significados na etimologia das palavras que traduzem-nas. A acepção de paz muda de acordo com a cultura onde seu significado-histórico passou a ser domínio da referida civilização.

Pax romana, por exemplo, indicava a pausa das campanhas de guerra, do avanço por novas conquistas do império. A ausência de campanhas de guerras promovia a pax romana. Dentro das áreas dominadas pelo império, as legiões romanas jamais admitiam ataque à pax romana. Mas o porco, símbolo da pax na Galiléia –insígnia da 10ª Legião romana –, representava impureza e perseguição aos judeus.

Para os gregos, o significado de paz estava na palavra eirene que indicava harmonia nas relações entre os homens, ausência de incômodo, sentimento de amizade entre as pessoas ou ainda uma forte sensação de descanso.

Dos romanos, a idéia que se tem é que a pax atingia o homem a partir do estereótipo –a ausência de batalha. Era a tranquilidade exterior mantida pelo poderio militar. Os gregos, descansavam o psiquê durante o tempo de eirene.

Aos judeus não existia paz fora de sua essência conforme estabelece as Escrituras Sagradas. Ela não ocorre sem a efetivação da paz espiritual, que tem papel fundamental dentro da concepção tricotomista que forma a complexidade humana –espírito, alma e corpo.

A palavra hebraica shalom significa primeiramente inteireza, paz completa, em tudo (kalokleros), que aparece como sõteria (salvação), na Septuaginta. Então a pessoa que possui shalom tem paz a partir do espírito, o interior –de dentro para fora.

Shalom Adonai completou-se com a obra redentora do Soteros –o Salvador, preconizada na promessa de Gênesis 3.15, pois quando Jesus transmite as últimas instruções aos discípulos fala de sua paz dizendo: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração e nem se atemorize", Jo 14.27. Jesus enfatizou duas coisas: 1) a minha paz; 2) não é igual a do mundo.

Ora, a concepção da paz do ponto de vista judaico, que se efetiva entre os seguidores de Cristo, é abrangente e tem a idéia de inteireza, completamente, salvação, pois nela estão contidos a graça, a saúde, o amor, a prosperidade, a esperança, o descanso (na fé), e a alegria.

Portanto, se o homem quer shalom, deve passar por sõteria –a salvação que só Cristo tem, enquanto pax, é efêmera, pois outra batalha poderá vir depois.

O sumo sacerdote Caifás, nomeado junto ao governo de César Tibério para manter a paz, tanto a romana quanto a do Templo, prendeu Jesus porque o Senhor da Paz (Adonai Shalom) passou a ser interpretado como ameaça à pax romana. Depois Ele foi "trocado" por Barrabás.

Os homens continuam atrás de Barrabás –filho (bar) do pai (abba). É possível que Barrabás tenha sido um opositor ao domínio imperialista de Roma, daí a opção por ele, enquanto o verdadeiro Filho do Pai –Jesus Cristo, fora rejeitado.

A pergunta ainda paira no ar, desde o momento em que foram prender Jesus: "A quem buscais?" Quando Jesus ouviu a resposta completou: "Sou Eu". Ao confessar seu atributo divino os guardas caíram. E assim ocorre até hoje. O homem cai, mas não se prostra diante de Adonai Shalom!, e ainda opta por Barrabás.

Qual é a paz que buscais?


Antônio P. Mesquita é ministro evangélico e jornalista.

  2003 - Nova Era