O instinto da cura

O poder de auto-regeneração que vemos no corpo afetado por um resfriado existe, da mesma forma, dentro do nosso cérebro. Nem tudo precisa de uma forcinha externa. Em muitas situações do cotidiano, a mente se encarrega do trauma sozinha. "Se você briga com seus filhos ou com seu chefe, você vai ficar chateado com isso por um tempo", diz Servan-Schreiber. "Pode ter pesadelos, pode não conseguir se concentrar no dia seguinte. Mas normalmente depois de alguns dias, uma semana, no máximo, isso vai embora."

Em outros casos, a doença é persistente, como depressão ou síndrome do pânico. A maioria dos problemas que vão parar nos consultórios médicos não é mesmo capaz de se curar sozinha. Quando isso ocorre, o organismo precisa de ajuda. A questão é que caminho seguir. "Nosso corpo tem instinto de cura. Se aprendermos a usá-lo de uma forma melhor, podemos reparar as coisas e voltar ao estado de saúde. Às vezes remédios intrusivos são necessários para estimular esse mecanismo. Outras vezes, caminhos naturais conseguem o mesmo efeito", diz o neuropsiquiatra.

A hipótese de que o corpo é naturalmente orientado para a cura é vista com reservas. "Não acredito em mágica. Isso me parece simplista demais", avalia Marcelo Marcos Morales, presidente da Sociedade Brasileira de Biofísica e professor da UFRJ. "Mas acredito, sim, que o equilíbrio de nossas funções fisiológicas, proporcionado pelo equilíbrio emocional, alimentação saudável e uma vida regrada, possa propiciar o bom funcionamento do nosso organismo. Assim ele poderá responder mais adequadamente a injúrias a que estamos subordinados."

Ômega-3: alimento para o cérebro emocional

A falta de peixe à mesa pode ser a causa de diversas doenças, inclusive depressão pós-parto. É o que indicam estudos sobre o papel dos ácidos graxos essenciais ômega-3 na saúde. Esses ácidos, que o corpo não consegue fabricar, são um dos mais importantes constituintes do cérebro. Por isso são a principal nutrição que o feto recebe pela placenta, fazendo com que as reservas da mãe caiam drasticamente nas últimas semanas da gravidez. Na Europa e nos EUA, esse quadro é até 20 vezes mais freqüente do que nos países asiáticos, graças à diferença no consumo de peixe e marisco. A substância pode ser encontrada também em sementes ou óleo de linhaça.
Não são apenas as gestantes que ganham com a substância. Quando os ácidos ômega-3 são eliminados da dieta de ratos de laboratório, o comportamento dos animais muda rapidamente em poucas semanas. Eles se tornam ansiosos, param de aprender novas tarefas e entram em pânico em situações de estresse. Uma alimentação com baixo teor dessas gorduras também reduz a capacidade para o prazer.

Em artigo publicado na revista "Lancet", pesquisadores franceses mostraram que pacientes cardíacos seguidores de uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3 tinham uma chance 76% menor de morrer nos dois anos seguintes de enfarte do miocárdio do que aqueles que seguiam uma dieta recomendada pela Associação Americana do Coração. Outras pesquisas documentaram que os ômega-3 protegem contra arritmias.

Mês passado, novos trabalhos demonstraram os efeitos desse nutriente em áreas ainda mais diversas, como a oncologia (o ômega-3 pode vir a ser utilizado no desenvolvimento de drogas para tratar o câncer de mama, por sua capacidade de inibir a ação das células cancerosas), a neurologia (ajuda a evitar a perda de memória associada ao mal de Alzheimer) e a osteologia (participa da formação e do crescimento dos ossos).

Funções interligadas

O cérebro humano continua sendo uma incógnita, mas é fato que as funções cerebrais desempenham papel fundamental na homeostase (equilíbrio das diversas funções e composições químicas do corpo). "Os distúrbios psicológicos podem levar a alterações endócrinas que alteram o metabolismo e a neurofisiologia", diz Morales. "Alguns hormônios, como os produzidos pela glândula adrenal nos casos de estresse, podem diminuir a imunidade do organismo, levando ao aparecimento de doenças. Esse é apenas um exemplo, entre vários. Ao mesmo tempo, quando os distúrbios emocionais são evitados, preservamos o funcionamento adequado do organismo. Enfermidades podem até ocorrer, mas com chances menores", afirma.

A verdade é que o corpo tem mecanismos de cura que a gente desconhece. Pacientes com doenças ditas incuráveis se recuperam e a ciência ainda não tem resposta para isso. Sabe-se que determinados métodos naturais e alternativos funcionam, mas muitos dos caminhos em si não são claros, porque não foram estudados. Só que na medicina tradicional acontece exatamente a mesma coisa. Por muitos anos a aspirina foi prescrita pelos médicos só porque surtia efeito, embora ninguém soubesse como.

Exercícios: antidepressivos feitos "em casa"

Atividades físicas nunca estiveram tão em alta. A epidemia mundial de obesidade levou a ginástica ao patamar de item indispensável para a qualidade de vida. Mas suar a camiseta traz mais benefícios do que aqueles relacionados à redução da gordura. O exercício é um tratamento eficaz para a ansiedade, por exemplo.
Na Universidade de Miami, um estudo examinou os efeitos do exercício em situações difíceis. Para o teste, foram avaliados pacientes na hora em que ficavam sabendo que eram HIV positivo. O que se observou foi que aqueles que se exercitavam regularmente eram mais imunes ao medo e ao desespero, o que segurou não apenas o seu equilíbrio emocional, mas seu sistema imunológico. Nessas pessoas, as células de defesa, que são altamente sensíveis às nossas emoções, continuaram trabalhando com força ou até mais agressivamente, ao contrário do que foi observado nos sedentários, que sofreram uma imediata paralisação na multiplicação dessas células.

Corridas também fazem bem a pessoas com depressão. Pesquisadores da Universidade Duke realizaram um estudo comparando os efeitos do jogging com os de um antidepressivo conhecido e descobriram que, após quatro meses, pacientes tratados com as duas abordagens estavam indo igualmente bem. A medicação não oferecia nenhuma vantagem particular sobre a prática da corrida. Um ano depois, mais de um terço dos pacientes que estavam tomando o remédio teve recaídas, contra 92% dos que se exercitavam.

Pessoas que se exercitam demonstram menor predisposição a doenças cardiovasculares e diabetes. Pacientes de câncer que participam de um programa desse tipo têm melhoras "robustas e clinicamente significativas" em sua saúde física e mental, de acordo com pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá. A prática ajuda na recuperação de dependência de substâncias químicas e até na regulação da atividade intestinal. Em um dos estudos mais surpreendentes, médicos afirmaram que a prática de esportes potencializa efeitos da quimioterapia, reduzindo o índice de mortalidade entre mulheres com câncer de mama.

Camila Artoni

  2005 - Nova Era